Pular para o conteúdo principal

Comer rapidamente aumenta o risco de diabetes.


Que comer rápido demais faz mal à saúde, todos sabemos. Mas um estudo realizado pela Universidade de Ciências da Lituânia Saúde revelou que fazer as refeições com pressa não só possibilita ganhar peso com facilidade como também aumentar as chances de desenvolver diabetes

O estudo acompanhou 702 pessoas, que ao preencher um questionário detalhado sobre seus estilos de vida falavam sobre hábitos de dieta, exercícios e se fumavam. Uma das perguntas era a forma como faziam suas refeições diárias - se comiam mais rápido ou lentamente. Estes participantes foram pesados e medidos para calcular o índice de massa corporal e determinar se eram obesos.
Ao longo da pesquisa, foi descoberto que aqueles que comiam mais rapidamente do que a maioria das pessoas apresentavam duas vezes e meia mais chances de desenvolver diabetes tipo 2. Já os participantes do estudo que já apresentavam diabetes eram mais propensos a ter um maior índice de massa corporal, disseram os pesquisadores.


Para o endocrinologista do hospital Sírio Libanês, Renato Zilli, “tanto o ambiente como a forma como as pessoas se alimentam influenciam no aparecimento de doenças”. O especialista explica que comer freqüentemente em locais agitados, como por exemplo em fast foods, é um risco. 

“As pessoas deveriam fazer suas refeições em locais calmos e mastigar lentamente, porque a agitação faz com que comam rápido e não prestem a atenção no que estão ingerindo”, diz. Segundo ele, ao se alimentar em lugares tranquilos conseguimos mastigar mais vezes, o que favorece o processo de digestão e nos faz comer menos. “Isso acontece porque o sistema digestivo tem a oportunidade de enviar um sinal para o cérebro de que está cheio e não precisa ingerir mais nada”.

O médico lembra que a prevalência de diabetes tipo 2 aumentou em todo o mundo, tornando a doença uma pandemia mundial. “Hoje existem 382 milhões de diabéticos em todo o mundo e a estimativa é que em 2035 esse número aumentará até 55%, passando para 592 milhões”, diz o médico. “Só no Brasil, o número de portadores da doença chega a 12 mil, cerca de 6,2% da população”. Para Zilli, a pesquisa mostra que a doença, então, tem não só relação com a genética, mas também com o ambiente em que a pessoa vive. Por isso é fundamental identificar fatores de risco que podem ser mudados, fazendo com que haja redução das chances de uma pessoa desenvolver a doença.

DR. RENATO ZILLI.

Médico endocrinologista do Hospital Sírio Libanês com experiência profissional de mais de 10 anos, especializado em obesidade, diabetes e tireoide. Focado em mudança de comportamento, integrando medicina, coach médico, psicologia e nutrição. Faz parte do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês. Integra a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Diabetes e EndoSociety, dos Estados Unidos. 

Fonte: DINO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Revertendo a laqueadura

Mudou de idéia sobre ter filhos? Veja como resolver essa situação

Imagine tomar uma decisão que pode mudar o rumo da sua vida, ou melhor, o rumo da vida de toda a sua família. Agora, imagine que sua vida mude de um dia para o outro e que você se arrependa dessa decisão. Muitas vezes não se pode voltar atrás, mas algumas escolhas podem ser refeitas. Felizmente, a medicina já consegue (pelo menos na maioria das vezes) reverter a laqueadura ou ligadura de trompas.

Optar pela esterilização feminina é um passo importante na vida de um casal, e deve ser muito bem pensado para que não haja arrependimento depois. "Quando a decisão da ligadura é tomada após o casal analisar as inúmeras possibilidades, que devem ser apresentadas pelo médico (término da relação, perda ou doença de filho etc.), o arrependimento tende a ser muito pequeno, daí a importância da informação ao casal. Optar por tal método por imposições de ordem financeira, pressão do cônjuge, instabilidade emocional, certamente ele…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…