Pular para o conteúdo principal

Após "AR", mulher tem 70% de chance de ter uma gestação tranquila; diz especialista.

São chamados abortos de repetição (AR) os casos em que ocorreram três abortos consecutivos ou, para alguns pesquisadores, quando houve duas ou mais perdas gestacionais logo no início da gravidez, antes da 22ª semana. “Por representarem uma grande perda e frustração para o casal que está ansioso para ter um bebê, esse assunto deve ser abordado com bastante seriedade”, destaca Dr. Fabio Cabar*, médico especialista em Reprodução Humana.

De acordo com Dr. Fabio, as causas para o abortamento podem ser variadas, mas uma delas se destaca: a idade da mãe. “Já sabemos que a maternidade tardia pode aumentar o risco de erros na meiose e, assim, a formação de óocitos aneuploides. Em consequência, ao serem fertilizados, gerarão embriões aneuploides, que evoluem para aborto frequentemente”, explica. Dos 35 a 39 anos, a probabilidade de se ter um aborto gira em torno de 25%. Já dos 40 a 44, é superior a 50%**.

“Precisamos deixar claro que se uma mulher tiver um aborto, o risco do segundo é muito pequeno. A partir de dois casos, no entanto, esse risco começa a aumentar consideravelmente”, afirma o especialista. Além disso, há alguns hábitos que podem interferir na chance do aborto, como o álcool ou cafeína em excesso, cigarro, uso de drogas e IMC acima de 30 ou abaixo de 18,5. Infelizmente, em 50% dos casos de AR não se identifica a causa. “Mesmo a mulher que fumou a vida toda e parou ao saber que ficou grávida, tem aumento desse risco. Hoje, no entanto, já sabemos que 40% dos abortos ocorrem por alterações genéticas ou cromossômicas”, diz.

De acordo com o Dr. Fabio, mesmo a mulher que teve AR não pode desistir do sonho de ter um filho. “Mesmo após 3 abortos consecutivos, a mulher ainda tem 70% de chance de ter uma gestação tranquila”, destaca. O acompanhamento médico, segundo ele, é extremamente importante para que seja identificada a causa do aborto. A carência de vitaminas, principalmente a vitamina D, ou progesterona, pode prejudicar o bom andamento da gestação e da formação do feto, assim como simples infecções. A hereditariedade também é um fator que merece muita atenção quando falamos em AR. Além disso, alguns casos ocorrem por trombofilia, malformação uterina ou mesmo a presença de miomas, problemas que podem ser tratados.

O mais importante, segundo Dr. Fabio, é que existe tratamento para muitos casos de AR. “Existem casais que já perderam várias gestações e, ao procurarem um médico especialista, conseguem realizar o sonho de gerar um bebê. Até mesmo o fator psicológico, que muitas vezes pode prejudicar uma gestação, pode ser tratado”, conclui. 

*Doutor em Obstetrícia e Ginecologia pela Universidade de São Paulo e especialista em Reprodução Humana, Dr. Fabio Cabar atende na Elo Clínica de Saúde (tels.: (11) 2613-7730 | 2307-0412 | 3151-2343). 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.