Pular para o conteúdo principal

"Babilônia": As inconsequências de jovens como Guto.


Para o psicólogo e escritor Alexandre Bez, especialista em relacionamentos, a grande sacada das novelas da atualidade são as questões que envolvem as psicodinâmicas das ações do cotidiano, que representam a realidade da vida real como realmente são. Na trama Babilônia encontramos o personagem Guto (Bruno Gissoni), um típico irresponsável que não gosta de tarefas normais como trabalho e estudo.

“Sua personalidade é falha e permeada pela irresponsabilidade, essa que foi proporcionada no processo desde sua criação. Ele provavelmente não foi vedado de seus desejos e noções de limites, não sabendo ouvir um não na atualidade porque na infância não foi acostumado com a imposição de limites”, afirma Bez.
Podemos perceber assim que o grande culpado nem seja ele mesmo, mas talvez outra pessoa - neste caso seu pai Evandro (Cassio Gabus Mendes) - que não lhe impôs os limites necessários fazendo dele o homem que deveria ser. A importância de separar a criação da educação se faz necessária não só nesse caso, mas em todos. Educação ele tem, o que realmente ele não teve foi uma criação adequada.

Entendendo de que se para viver em sociedade tem regras e normas a serem seguidas, não somos o Dono do Mundo, mas sim seres pensantes, racionais e lógicos. O capítulo com a lancha só evidenciou a execrável personalidade de Guto, sob influência alcoólica ele atropelou no mar o garoto correndo com a embarcação numa área de velocidade reservada, além de se exibir aos amigos durante o passeio.

“Pessoas sem caráter como a do personagem são acobertados pela impunidade. No caso de Guto teria que haver um processo de ressocialização. Entender o que é ser um ser humano e dar valor a praticamente tudo e todos. Além de pagar seus erros propositais, deixando assim de ser inconsequente”, finaliza o psicólogo.

Via: DINO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.