Pular para o conteúdo principal

Hospital do Andaraí tenta contornar falta de remédios com prescrição de outros medicamentos.

O Ministério da Saúde confirmou hoje (14) a falta de medicamentos no Hospital Federal do Andaraí (HFA), na zona norte da cidade do Rio de Janeiro. Em nota, o ministério informou que são “casos pontuais” e que a administração já está providenciando a compra desses remédios.

Para não comprometer o tratamento médico, o Ministério da Saúde informou que “os pacientes são medicados com outros compostos que possuem a mesma ação, o que garante a continuidade do tratamento. Desta forma, o HFA assegura o acesso aos medicamentos e insumos, tanto aos seus pacientes internados como aos ambulatoriais”.

Em vistoria feita na semana passada, o Ministério Público Federal constatou a falta de medicamentos e insumos no hospital, que é vinculado ao Ministério da Saúde. De acordo com o MPF, faltavam pelo menos 14 tipos de remédios, entre eles alguns de uso comum como dipirona e tramal.

Além disso, constatou-se que não havia insumos como próteses ortopédicas e gaze. Segundo o MPF, a administração do hospital informou que faltavam 38 tipos de insumos.

A inspeção também constatou que insumos estão estocados em local impróprio. Foram encontrados ainda produtos fora do prazo de validade. De acordo com nota divulgada pelo MPF, em outra vistoria, em agosto deste ano, médicos haviam relatado que estavam há três meses sem realizar cirurgias ortopédicas por falta de material.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que “a unidade passa por obras de modernização de sua infraestrutura, fato que, inevitavelmente, interfere na rotina de determinados espaços físicos”, mas que, para evitar a falta de medicamentos e insumos, “foram estabelecidos novos fluxos de trabalho, além da criação de uma força-tarefa para acelerar os trâmites administrativos”.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.