Pular para o conteúdo principal

Enfermeiras interrompem velório de um bebê para realizar exames.


Aconteceu! - Enfermeiras da Santa Casa de São Roque, a 54 km de São Paulo, interromperam o velório de um bebê que morrera três horas depois do parto para realizar exames no corpo da criança. O caixão foi retirado do salão em que era velado e transportado para uma sala vizinha. Depois dos exames, em que as roupas do recém-nascido foram cortadas, o corpo foi devolvido para o velório.

O fato ocorreu no Natal, mas apenas nesta última sexta-feira, 30, é que os pais procuraram a Polícia Civil e registraram um boletim de ocorrência para preservação de direitos. "As enfermeiras alegaram que tinha havido um erro no atestado de óbito e tinham que fazer uns exames, mas nosso bebê já estava morto fazia muito tempo. Foi um momento difícil e deixou todo mundo nervoso", disse o pai, Paulo Gonçalves Leopoldo, de 26 anos.

A Secretaria Estadual de Saúde informou que o procedimento foi incorreto e que o caso será apurado. Em nota, a Santa Casa confirmou que tinha havido um erro no preenchimento do atestado de óbito. O caso foi registrado como de natimorto (quando o bebê é dado à luz sem vida), mas foi constatado que a criança respirou e viveu durante três horas.


De acordo com a nota, o erro no preenchimento do atestado de óbito ocorreu devido a uma falha de comunicação entre o berçário da maternidade e a recepção. Para fazer um novo atestado de óbito, as enfermeiras tiveram de colher a impressão plantar do pé direito do bebê quando este já tinha sido liberado para o sepultamento. A nota informa que a administração tomou providências para evitar novas falhas.



Fonte: Agência Estado.



Comentários

Anônimo disse…
Na minha concepçao pelo q fiquei sabendo pela net q vai se completar um ano e nada se foi feito o Brazil q nao muda ou o advogado desses cuitados q e um mole pra nao dizer outra coisa. Ps rato de esgoto

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.