Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores norte-americanos falam sobre fórmula para ser feliz.



...acreditar em Deus, formar família e ter uma vida financeira estável. Essa foi a fórmula encontrada por pesquisadores norte-americanos. Saiba como chegar lá

Inúmeras palavras poderiam completar a frase acima. Mas pesquisadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, conseguiram mapear os elementos que levam uma pessoa a ser mais ou menos feliz (veja tabela na página ao lado). Em primeiro lugar está a religiosidade, seguida por uma renda mensal familiar igual ou superior a R$ 11,2 mil. A maturidade e o casamento também contam bastante e aparecem na sequência. O estudo foi feito com base no depoimento de 450 mil norte-americanos colhidos pelo Instituto Gallup em 2008 e 2009. O resultado foi publicado na revista científica norte-americana “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

O empresário Chris Almeida, de 50 anos, é diretor-presidente do Grupo Panamby, um conglomerado de 14 empresas de sucesso, e sabe muito bem o peso que esses fatores têm no seu bem-estar. De origem humilde, ele começou a trabalhar aos 9 anos, como engraxate. Depois montou empresas em vários ramos, como pisos, mármores e um açougue. Mas quase tudo deu errado. A virada na vida veio depois que iniciou uma empresa de reabilitação de crédito, no mesmo momento em que passou a frequentar a igreja. Hoje o Panamby é um dos maiores grupos empresariais do País e Almeida recebeu prêmios como o de empresário do ano de 2009 pelo clube Hebraica, de São Paulo. Ele é casado, tem três filhas, curso superior, plano de saúde e desfruta de todo o conforto que uma boa renda pode trazer. “Sou a pessoa mais feliz do mundo. A coisa mais triste para um pai é passar um Natal sem poder dar um presente para as filhas. Por muito tempo elas moraram em um quarto e cozinha sem reboco na parede e estudaram em colégio de periferia. Hoje moro em um triplex, elas estudam em excelentes faculdades e têm casa própria”, descreve.

“A religiosidade está muito ligada com dar sentido à vida. A pessoa fica mais motivada, pertence a uma comunidade – o que já a exclui da solidão –, e por isso também fica mais confiante. Ela lida melhor com a questão do fracasso, do perdão e adquire outros valores”, explica o psiquiatra Frederico Leão, coordenador do núcleo de estudos de problemas espirituais e religiosos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Entre os principais motivos que levam à infelicidade, segundo a pesquisa de Princeton, está justamente a solidão.

O estudo chegou ao valor de R$ 11,2 mil por mês depois de detectar que quanto mais as pessoas recebiam, mais felizes elas eram. Mas essa relação estaciona nos US$ 75 mil (R$ 135 mil) anuais. A partir daí, a renda não é mais tão determinante para a felicidade. “É claro que dinheiro pode ajudar uma pessoa a se estressar menos, não se preocupar com itens básicos e dar lazer à família. Isso traz bem-estar. Mas também temos que relativizar os dados na questão sociocultural. Esse valor corresponde a uma família norte-americana e não a uma brasileira. Mesmo aqui o valor para uma família de São Paulo tem peso diferente do que a mesma quantia para uma família do interior do Piauí”, avalia Fabio Calo, psicólogo e terapeuta comportamental do Instituto de Psicologia Aplicada (INPA). “Acredito que ninguém seja feliz no sufoco financeiro, mas vejo como mais precioso do que qualquer valor monetário buscarmos sempre a Deus, pois só Ele é capaz de nos dar, além de dinheiro, paz, harmonia e serenidade na família”, atesta o empresário Celso Henrique Marques, morador do bairro Recreio dos Bandeirantes, zona nobre do Rio de Janeiro. Para Antonio de Julio, consultor em finanças pessoais da consultoria MoneyFit, até mesmo o montante proposto para a felicidade tem que ser questionado. “Esse valor beneficia uma classe média norte-americana que compra a casa própria com juros baixos e paga mais fácil qualquer financiamento. Em uma capital brasileira, para uma família com filhos em escola particular, com carro e casa para quitar, o valor já nem sobra tanto para a felicidade no final do mês”, calcula.

Para quem quer fazer o salário render e até quem sabe ficar mais feliz com o que ganha, o consultor indica a conhecida receita de colocar tudo na ponta do lápis e não gastar em um mês mais do que se ganha.

Felicidade Interna Bruta
O conceito de que o dinheiro colabora com a felicidade, mas não é o principal, também está implícito na teoria da Felicidade Interna Bruta (FIB). Trata-se de um índice que nasceu no Butão, na Ásia, em confronto ao conceito de Produto Interno Bruto (PIB), que soma todas as riquezas de um país mas não seria o melhor índice para medir o desenvolvimento das nações. A fórmula da FIB calcula a riqueza considerando outros aspectos além do econômico, como a qualidade de vida das pessoas.

“As necessidades básicas são certamente alcançadas com dinheiro. É um sofrimento alguém ver o filho doente e não conseguir comprar o remédio. A pessoa fica profundamente infeliz. O dinheiro assegura uma imensa melhoria da percepção da qualidade de vida”, diz o economista Ladislau Dawbor, consultor da Organização das Nações Unidas.

A psicóloga Samia Aguiar Simurro lembra também que o percurso percorrido para alcançar o sucesso financeiro pode matar a felicidade que o dinheiro traria. “Se a pessoa é rica, mas trabalha como uma condenada, não tem tempo para a família e passa cotidianamente por situações de muito estresse, certamente ela não desfruta de toda a felicidade que o dinheiro traria para ela”, pondera.

Ela relembra ainda outra teoria, descrita no livro “A ciência da felicidade”, da escritora Sonja Lyubomirsky, que confronta a afirmação de que dinheiro compra felicidade (algumas das dicas presentes na obra estão destacadas ao longo da reportagem).

O livro diz que algumas pessoas nascem geneticamente programadas para serem felizes, e que isso corresponde a 50% das chances de sorrir mais do que quem nasceu sem essa característica. Já as circunstâncias da vida, como emprego, estar ou não casado e ter mais ou menos dinheiro, teriam o peso de apenas 10%. Os outros 40% ficam por conta de atitudes diárias que as pessoas podem mudar e praticar para atingir um nível de satisfação melhor com a vida. “Um exemplo são as pessoas com atitudes positivas, que reconhecem o sucesso e são gratas, que cultivam o otimismo. Elas são mais felizes que os pessimistas”, finaliza.
Fonte: Folha Universal


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.