Pular para o conteúdo principal

Saúde também para homens

Preocupada com a saúde dos brasileiros, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) iniciou uma campanha nacional de prevenção ao câncer de pênis. Segundo a entidade, a doença causa mil amputações do órgão sexual masculino por ano no País, e tem como principal fator um hábito que pode ser facilmente combatido: a má higienização. Este tipo de câncer é assintomático e, normalmente, só é percebido com o aparecimento de ferida ou irritação no local. Ao notar qualquer anormalidade, deve-se procurar um especialista o quanto antes, alerta o urologista Aguinaldo Nardi, coordenador de campanhas públicas da SBU. Nesta entrevista, ele fala do problema e destaca a importância de ações preventivas e do cuidado com a saúde masculina de forma geral.

1 – Por que a campanha de prevenção contra o câncer de pênis foi mais direcionada ao Norte e Nordeste e como ela está sendo aplicada ao restante do País?

A divulgação do problema está sendo feita em todo o Brasil. No Norte e Nordeste, especificamente, nós realizamos cirurgias e distribuímos cartazes e folhetos, porque são as regiões com maior incidência da doença. Nas outras regiões, procuramos orientar a população no sentido de que a higiene genital deve ser feita adequadamente por adultos, além de ter que ser ensinada para as crianças o mais cedo possível. Queremos ainda que a população entenda que o homem deve procurar o urologista não só para cuidar do câncer de pênis, mas também por causa de outras doenças. No site da Sociedade Brasileira de Urologia (www.sbu.org.br) também é possível encontrar um importante material informativo.

2 – Quais são as principais causas desse tipo de câncer que acomete os homens e como evitar a doença?

A má higienização é o principal fator, seguido de doenças sexualmente transmissíveis, como o HPV. Os homens devem lavar o órgão genital diariamente e, principalmente, sempre após as relações sexuais. Uma pequena ferida pode ser um tumor maligno que, se não cuidado, pode ocasionar não só a amputação do órgão como também dos membros inferiores. A fimose (impossibilidade de retração da pele do pênis para expor a cabeça do órgão) impede que seja feita uma higienização correta e muitos homens não sabem que esse problema existe.

3 – Existem casos em crianças ou adolescentes?

A maioria dos casos acomete o homem após os 50 anos de idade. Mas, aqui no Brasil, temos uma incidência também entre jovens de 15 a 26 anos.

4 – Já é possível avaliar uma resposta a essa campanha?

A resposta foi imediata. Durante a campanha nós fizemos um mutirão de cirurgia de fimose nas principais capitais das regiões Norte e Nordeste, onde operamos 390 pacientes. Dois homens que escutaram sobre a campanha no rádio nos procuraram na hora, pois apresentavam alguns sintomas. Eles foram imediatamente encaminhados para cirurgia. Os dois tiveram indicação de amputação do membro.

5 – Existe algum trabalho de assistência psicológica a esses homens que precisam passar por uma amputação do órgão genital?

Sim, todos os hospitais que realizam esse tipo de cirurgia contam com atendimento de assistentes sociais e psicólogos, que são fundamentais na condução dos pacientes. A rede pública de saúde está bem preparada, tanto com equipamentos como com profissionais para a realização da cirurgia de câncer de pênis, até porque é um procedimento simples do ponto de vista cirúrgico.

6 – Há uma estimativa para a erradicação da doença no Brasil?

Acreditamos que em 20 anos seja possível erradicar este tipo de câncer. Trata-se de uma questão cultural. Temos que ensinar toda a população brasileira que fimose existe e que é preciso lavar o pênis corretamente. Isso é um trabalho muito longo mesmo.

7 – Quais são os países que apresentam maior número de casos de câncer de pênis e qual é a posição do Brasil neste ranking?

Algumas regiões da África, Egito e Índia, além do Brasil. O Nordeste brasileiro tem a mesma incidência que esses países que citei. A doença atinge todas as classes sociais, mas em maior quantidade as pessoas carentes de informação.

8 – Quais são as doenças masculinas de maior incidência no País?

O cálculo urinário, as doenças sexualmente transmissíveis, infecções urinárias, incontinência urinária, câncer de próstata – este sendo uma das mais graves –, além do câncer de pênis.

9 – Qual costuma ser o principal motivo que leva os homens a procurar um urologista?

Ainda é a próstata. Mas a procura é muito maior quando eles apresentam algum sintoma e não como forma preventiva. De maneira geral, os homens ainda não têm essa mentalidade de consultar o médico preventivamente. Todas as doenças, quando descobertas inicialmente, têm grandes probabilidades de cura.

10 – Que precauções o homem deve tomar para ter um envelhecimento saudável e a partir de que idade ele deve começar a se cuidar?

O homem tem que abolir o cigarro e a vida sedentária, fazer uma alimentação saudável, com pouca ingestão de álcool, e procurar um urologista após os 45 anos de idade para avaliar tanto a parte hormonal quanto a próstata.

Fonte: Folha Universal

Fica aquí um alerta aos machões de plantão, muitos dizem que homem não chora, mas quando a doença resolve bater a porta, não vai querer saber se você chora ou não chora, se você é rico ou pobre, nem sua cor ou religião. Então previna-se procure ajuda especializada, não somente quando estiver doente, mas procure se cuidar para não adoecer.

Que Deus Abençoe a todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.