Pular para o conteúdo principal

SAÚDE MENTAL: DEBATE SEM FIM

Trinta anos depois do início da discussão sobre o tratamento dispensado a doentes mentais, provocada na sociedade brasileira pelas críticas do italiano Franco Basaglia, que em visita ao país, em 1979, denunciou a violência dentro de manicômios, o debate permanece rico, cheio de controvérsias, sem um ponto final. Verdadeiros depósitos de gente, como se via naquele período, não existem mais. Ninguém pode dizer, entretanto, que os 36 mil pacientes internados atualmente em sanatórios da rede pública ou credenciada ao Sistema Único de Saúde (SUS) vivem em condições ideais. No centro da polêmica, que envolve questões de direitos humanos, pontos de vista médicos discrepantes, ideologia, paixão e até interesses financeiros, está a instituição psiquiátrica. Um mal necessário — recurso imprescindível para pessoas com distúrbios graves — ou um modelo falido?

A política de saúde mental brasileira aposta na última opção. Trabalha para fechar leitos em hospitais especializados e, ao mesmo tempo, ampliar uma rede comunitária. De outro lado, familiares de doentes e médicos denunciam a desassistência provocada pela reforma psiquiátrica no país. O Correio encerra hoje a série “Cidadania e Loucura”, que fez uma radiografia dos serviços públicos na área da saúde mental, trazendo à tona esse debate. A discussão atinge em cheio grande parte dos 38 milhões de brasileiros que precisarão, em algum momento na vida, de atendimento na área. Hoje são 6 milhões de pessoas com doenças graves e persistentes, tais como esquizofrenia, psicoses, distúrbios de humor e deficiência mental elevada. fonte:C.B

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Revertendo a laqueadura

Mudou de idéia sobre ter filhos? Veja como resolver essa situação

Imagine tomar uma decisão que pode mudar o rumo da sua vida, ou melhor, o rumo da vida de toda a sua família. Agora, imagine que sua vida mude de um dia para o outro e que você se arrependa dessa decisão. Muitas vezes não se pode voltar atrás, mas algumas escolhas podem ser refeitas. Felizmente, a medicina já consegue (pelo menos na maioria das vezes) reverter a laqueadura ou ligadura de trompas.

Optar pela esterilização feminina é um passo importante na vida de um casal, e deve ser muito bem pensado para que não haja arrependimento depois. "Quando a decisão da ligadura é tomada após o casal analisar as inúmeras possibilidades, que devem ser apresentadas pelo médico (término da relação, perda ou doença de filho etc.), o arrependimento tende a ser muito pequeno, daí a importância da informação ao casal. Optar por tal método por imposições de ordem financeira, pressão do cônjuge, instabilidade emocional, certamente ele…