Pular para o conteúdo principal

HIPOCONDRIA



Uma mancha pode ser indício de câncer, fraqueza é provável que seja Aids, um resfriado pode ser tuberculose ou pneumonia. Esses são alguns exemplos de como vive uma pessoa hipocondríaca – com um medo persistente de contrair alguma doença grave. Esse mal atinge entre 6 e 9% das pessoas que procuram atendimento médico, segundo alguns estudos norte-americanos.

Considerado por muitos como uma “mania engraçada”, o problema prejudica a qualidade de vida do paciente e o número de pessoas com esse comportamento vem aumentando e preocupando a classe médica.

O chefe do Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), Marco Antônio Alves Brasil, informou à Revista Plenitude do mês de junho que a pessoa sempre acredita estar com uma doença grave e duvida do diagnóstico de que sua saúde está perfeita.

“Por exemplo: uma pessoa saudável faz check up anual, mas isso não é motivo de preocupação. Quem sofre do mal, quando vê que os resultados do check up foram bons, tem vontade de refazer para reafirmar que não está com algum problema. Quando chega a esse nível, vira doença porque compromete a qualidade de vida. A pessoa deixa de fazer e pensar em outras coisas e faz uso exagerado do serviço médico”, revela à revista.

A manifestação do transtorno geralmente é reconhecida na adolescência e passa a ser mais frequente na vida adulta. Para um hipocondríaco, querer descobrir uma doença que não existe se torna uma missão angustiante e a enfermidade imaginária passa a trazer transtornos reais. Doenças como depressão e ansiedade também podem estar associadas ao problema.

Fonte: Conteudo arca universal
Você conhece pessoas com esse transtorno? Já observou sua relação com o mundo? Deixe sua opinião sobre esse assunto.
Deus abençoe a todos que estão visitando este cantinho voltado a saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Enfermeiro gay é morto na frente da filha.

Na semana passada, um enfermeiro foi morto a golpes de faca dentro de casa na frente da filha de um ano em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Antes de morrer, a vítima chegou a contar que teve a casa invadida por um homem encapuzado.
Jorge Patrício de Araújo, de 37 anos, que era casado com um homem, havia acabado de adotar a criança. Para os amigos, o crime foi motivado por homofobia.
A DH (Divisão de Homicídios) de Niterói investiga o caso.