Pular para o conteúdo principal

NUTRIÇÃO




Homens resistem melhor a desejo por comida, diz estudo
Voluntários foram submetidos a testes com seus pratos favoritos

Homens são mais capazes de resistir a um prato cheio de comidas tentadoras do que as mulheres, de acordo com um novo estudo americano.
Em uma experiência realizada em Nova York, pesquisadores pediram a um grupo com 23 voluntários que não comessem por um dia.

Após esse período, em uma série de testes, exames revelaram que os homens apresentaram muito menos atividade em regiões do cérebro associadas ao desejo por comida do que as mulheres.

Outros especialistas afirmam que o estudo, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, não leva em conta diferenças hormonais e usa uma amostragem pequena demais.

Mas os responsáveis pelo trabalho dizem que, se comprovada, a aparente habilidade do homem de se "desligar" das ideias de comida talvez possa explicar índices menores de obesidade em pessoas do sexo masculino e também por que mulheres, em geral, têm mais dificuldade para perder peso do que os homens.

"Nossos resultados podem nos ajudar a compreender mecanismos neurobiológicos associados à habilidade de controlar a quantidade de comida ingerida", disse Gene-Jack Wang, principal autor do estudo.

Segundo Wang, a pesquisa também pode "sugerir novos métodos farmacológicos ou outras intervenções para ajudar a pessoa a regular seu comportamento alimentar e manter um peso saudável".

Para Wang, a diferença entre os sexos na habilidade de inibir as respostas do cérebro à comida e à fome é surpreendente e deve ser estudada mais a fundo.

Estudo

Todos os voluntários - dez homens e 13 mulheres - tinham peso considerado normal e haviam permanecido em jejum por pelo menos 20 horas antes de ter seus cérebros monitorados.

Antes do primeiro exame, os participantes foram colocados diante de seus pratos favoritos - como pizza, bolo de chocolate e costela na brasa -, aquecidos para produzir aroma e gosto agradável.

Enquanto seus cérebros eram monitorados, os voluntários foram convidados a cheirar, provar, observar e reagir à comida, mas não comê-la.

Em outra sessão de exames, realizada em um dia diferente, os participantes foram orientados a inibir seu desejo pela comida antes de ficarem diante de seus pratos preferidos.

No terceiro dia de exames, nenhum alimento foi apresentado aos participantes.

Após receber ordens de resistir ao desejo de comer, os voluntários homens apresentaram muito menos atividade nas regiões do cérebro conhecidas como hipocampo, amígdala, córtex órbito-frontal e striatum.

Estudos anteriores associaram essas áreas do cérebro à regulação emocional e à ativação da memória - o que sugere que os homens estavam acessando menos memórias da comida desejada e talvez sendo menos afetados pela idéia de comer.

"Embora as mulheres tenham dito que estavam menos famintas quando tentavam inibir sua resposta à comida, seus cérebros continuavam ativos nas regiões que controlam o desejo de comer", disse Wang.

A equipe de pesquisadores admite, no entanto, que mudanças sutis na forma como mulheres respondem à comida, determinadas por mudanças hormonais em diferentes fases do seu ciclo mentrual, podem distorcer os resultados do estudo e precisam ser melhor investigadas.

Ansiedade

O diretor da entidade beneficente britânica Weight Concern, que oferece apoio a pessoas com problemas de obesidade, diz que, além dos aspectos psicológicos, uma diferença importante entre os dois sexos é que as mulheres são afetadas pelo hormônio feminino estrogênio.

"Mulheres têm bastante (estrogênio), homens, não", disse Ian Campbell. "O estrogênio trabalha para promover o aumento do peso - ou impedir a perda do peso - na mulher e isso torna muito mais difícil para elas perder peso."

"Esse estudo demonstra que é preciso que programas de controle de peso reconheçam as necessidades diferentes dos diferentes sexos, idades, históricos sociais e culturais", acrescentou.

Para o cientista Andy Calder, da Universidade de Cambridge, o número relativamente pequeno de pessoas envolvidas torna difícil saber se algumas das diferenças encontradas entre os dois sexos são mesmo genuínas.

"Na população de maneira geral, pode haver fatores diferentes em termos de como as pessoas respondem à comida", disse Calder.

"É possível que, por características individuais, algumas das mulheres envolvidas sejam mais inclinadas à ansiedade, o que poderia explicar as diferenças."

Em países como a Grã-Bretanha, índices de obesidade são similares nos dois sexos, mas há três vezes mais probabilidade de que uma mulher seja uma obesa mórbida do que um homem.

De acordo com padrões estabelecidos por especialistas, uma pessoa é obesa mórbida quando seu Índice de Massa Corporal (IMC) fica acima de 40.

O índice é calculado de acordo com uma formula que determina o peso ideal de uma pessoa em relação à sua altura.

Fonte: BBC


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfermagem + Idosos = Cuidados

A atuação de enfermeiros junto ao idoso deve estar centrada na educação para a saúde, no “cuidar”, tendo como base o conhecimento do processo de senilidade. Estar em atento ao retorno das possíveis atividades do idoso e de sua capacidade funcional. O objetivo primordial dos enfermeiros é atentar às necessidades básicas, à dependência e ao bem-estar do idoso. Tal colocação tem como base a assistência de enfermagem tanto na saúde quanto na doença.
Todos os profissionais envolvidos neste trabalho de ajuda ao idoso devem atuar, também, junto a seus familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações físicas advindas de doenças próprias da idade.

Pois , o idoso pode apresentar vários problemas que levam ao comprometimento da sua reabilitação tais como: Desânimo, depressão, crise de choro e idéia de suicídio, muitas vezes observados durante a consulta de enfermagem. É de extrema importância os enfermeiros, nessas situações, serem sensíveis para detectar tais problemas, i…

Alzheimer: Diagnósticos de Enfermagem e Reabilitação do paciente.

O dia 21 de setembro foi instituído pela ADI (Alzheimer's Disease International), entidade internacional que congrega mais de 75 Associações de Alzheimer no mundo, como dia de sensibilização para a doença.
Doença de Alzheimer - Enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas vítimas são pessoas idosas. Talvez, por isso, a doença tenha ficado erroneamente conhecida como “esclerose” ou “caduquice”.
A doença se apresenta como demência, ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. Quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Seu nome oficial refere-se ao médico Alois Alzheimer, o primeiro a descrever a doença, em 1906.
Causa - Não se sabe por que a Doença de Alzheimer ocorre, mas são conhecidas algumas lesões cerebrais características dessa do…

Revertendo a laqueadura

Mudou de idéia sobre ter filhos? Veja como resolver essa situação

Imagine tomar uma decisão que pode mudar o rumo da sua vida, ou melhor, o rumo da vida de toda a sua família. Agora, imagine que sua vida mude de um dia para o outro e que você se arrependa dessa decisão. Muitas vezes não se pode voltar atrás, mas algumas escolhas podem ser refeitas. Felizmente, a medicina já consegue (pelo menos na maioria das vezes) reverter a laqueadura ou ligadura de trompas.

Optar pela esterilização feminina é um passo importante na vida de um casal, e deve ser muito bem pensado para que não haja arrependimento depois. "Quando a decisão da ligadura é tomada após o casal analisar as inúmeras possibilidades, que devem ser apresentadas pelo médico (término da relação, perda ou doença de filho etc.), o arrependimento tende a ser muito pequeno, daí a importância da informação ao casal. Optar por tal método por imposições de ordem financeira, pressão do cônjuge, instabilidade emocional, certamente ele…